Archive for julho \26\UTC 2009

morreu

julho 26, 2009

DSCN5153

minha arvorinha se foi. tá sequinha, falta de regar.

mas também, que idéia, não sei nem cuidar de mim, quanto mais dos outros…

Anúncios

mapeando o geotag

julho 19, 2009

continuando minha busca pelo mapeamento das fotos. com as fotos geotaggeadas¹ pela nikon p6000, fui em busca de mapeadores. eu sei que existem softwares que fazem isso, mas a princípio fui atras dos online.

testei quatro: google earth, picasaweb, panoramio (asosciado ao google earth e google maps) e flickr. segue uma breve analise de cada um.

gps-ge

google earth
software de fotos aéreas e mapas do mundo todo. o único dos qutro que precisa ser instalado, e que permite abrir a foto direto do computador (sem precisar fazer upload). mas ele descosiderou o geotag, e largou a foto onde eu estava olhando no momento.

gps-pi

picasaweb
ferramenta de organizar fotos do google. originalmente é um software que organiza as fotos no hd, para uso geral. eu usei a versão web, que permite criar albuns online. eu fiz o upload das fotos, ele puxa o geotag, mapeia pelo google maps, e permite ver no google earth. porém fez um mapeamento bem impreciso. estranhamente juntou varias fotos (com geotags diferentes) num mesmo ponto.

gps-pa

panoramio
site de fotos com objetivo explicito de trabalhar fotos com sua localização geográfica. foi comprado pelo google, e associado ao google earth e google maps. voce coloca suas fotos e mapeia com a ferramenta deles. caso a foto tenha ogeotag, ela é automaticamente mapeada. as fotos ficam disponiveis no site, e são selecionadas para ir para o google earth e google maps.
ao fazer o upload, ele fez um mapeamento bom, mas ainda um pouco impreciso (a foto vai para o lado errado da rua, chega a dar quase um quarteirão de diferença).

gps-fl

flickr
galeria de fotos online, uma das mais populares da net. foi comprada pelo yahoo. é mais usada pra fotos artisticas, ilustrações, portfólio, não tem um enfoque no mapemaneto. na verdade eu nem sabia que tinha recurso de mapa até então.
fiz o teste do upload (depois de tres tentativas não muito bem sucedidas) e, pra minha surpresa, foi o mapeamento mais preciso que obtive.

conclusão
apesar de o nome google ser automaticamente associado aos recursos de mapas e aerofotos online, seus recursos de mapeamento automatico por geotag ainda deixam a desejar. algumas vezes eu acabei corrigindo manualmente a posição da foto (o que equivale a mapear do zero).
curiosamente o flickr apresentou melhores resultados.

_

¹ geotag é a informação de latitude e longitude gravada dentro da foto, no exif, junto de outras informações como data, hora, modelo da camera, etc.

frio 2

julho 12, 2009

subitamente vem um frio intenso
que dói até os ossos
e congela a alma

como se ele seguisse meu estado de espírito

desenhistas rastejantes – ou “sketching in the rain”

julho 11, 2009

hoje participei pela primeira vez de um sketchcrawl, que é um passeio desenhístico pela cidade. o evento ocorre em vários lugares pelo mundo, em são paulo foi a terceira edição.

infelizmente devido às condições climáticas (choveu) a participação foi pequena, impedindo de haver um novo recorde. mas foi possivel cumprir com os requisitos básicos do evento: “Caderninho na mão, lápis na outra, e toca desenhar pra se divertir, não pra ficar bonito”

foi bom pra tirar a ferrugem das juntas. tem mais alguns desenhos lá no flickr.

a desfazer-se

julho 9, 2009

“o ser humano precisa de não estar sempre no quotidiano, precisa de sair do quotidiano e entrar noutros níveis, noutra sensação do mundo. precisa de fazer coisas não produtivas, sair da lógica da produção, ter objectivos diferentes desses, precisa de voltar a saber que não só um caminho entorpecedor e mecânico, que a vida é mais subtil do que isso, mais rica de redes e nós de sentidos e sensações, de linhas que se cruzam e que baralham e iluminam.”
(a desfazer-se, vera mantero)

pensamento e linguagem

julho 8, 2009

“Se não fosse aquilo… nem sabia. O fio da idéia cresceu, engrossou – e partiu-se. Dificil pensar. Vivia tão agarrado aos bichos. Nunca vira uma escola. Por isso não conseguia defender-se, botar as coisas nos seus lugares.”
(Vidas Secas, Graciliano Ramos)

O que o Graciliano Ramos nos conta aqui é a dificuldade do analfabeto não apenas de se comunicar, mas de articular as idéias, de organizar um pensamento. O fio da idéia partiu antes de atingir sua plenitude.

Essa mesma dificuldade que Fabiano, protagonista da história, tem de pensar por lhe faltar uma linguagem que dê suporte, é descrita por Oliver Sacks no caso de surdos que nascem nesta condição, ou ficam surdos antes de aprender a se comunicar.

“Os surdos sem língua podem de fato ser como imbecis – e de um modo particularmente cruel, pois a inteligência, embora presente e talvez abundante, fica trancada pelo tempo que durar a ausência de uma língua. Assim, o abade Sicard está correto, além de ser poético, quando escreve que a introdução da língua de sinais ‘abre as portas da inteligência pela primeira vez’. Nada é mais prodigioso, ou mais digno de celebração, do que algo que liberta as capacidades de uma pessoa e lhe permite crescer e pensar”
(Vendo Vozes, Oliver Sacks)

Sacks está fazendo a defesa do ensino da linguagem de sinais, em oposição à técnicas de educação que emulam a linguagem falada como a leitura labial ou o uso de sinais para aprender um idioma. Afirma que a linguagem de sinais não apenas permite a comunicação, mas permite o pleno desenvolvimento do pensamento.

Ou seja, o pensamento não precisa se apoiar na palavra, mas em uma linguagem. No princípio não era necessariamente o verbo.

Mas não apenas isso. Devido ao uso da visão como meio de comunicação, quem se formou na linguagem de sinais desenvolve uma habilidade visual acima da média, comparada através de estudos à dos chineses, cuja complexidade dos ideogramas exige tal habilidade.

Por isso eu venho aqui arriscar uma extensão dessa idéia:
É necessário desenvolver diversas linguagens.

Todo mundo.

Nossa educação baseia-se na linguagem verbal e numérica, e no raciocínio escrito e falado, mas há outras linguagens: arte, desenho, escultur, música, dança, etc. Já foi comprovado que há uma pontencial habilidade visual que fica “trancada”. Assim como provavelmente há uma habilidade sonora/musical (já chegaram a afirmar que todos nascem com ouvido absoluto, mas a maioria perde essa habilidade nos primeiros anos de vida), ou uma corporal/gestual, etc.

Somos em grande parte ignorantes de nossas próprias potencialidades.

utilidade e consumo

julho 1, 2009

apesar de eu ter um certo fascinio pela produção em série, e particularmente a produção industrial, venho aqui fazer uma pequena reflexão crítica sobre o tema.

CONCRETEIRA_42 formas de prova 3

as indústrias surgiram como impulsores do capitalismo, e seu princípio é produzir pra vender. de lá pra cá se estabeleceu a chamada sociedade de consumo,  e os reflexos dela estão saltando aos olhos nesta virada de milênio. a quantidade de lixo produzido, a poluição, a exploração dos recursos naturais. estamos destruido o planeta gradativamente.

à parte argumentos “ecologicamente corretos”, ou “sustentáveis” (outros nomes pra vender um outro tipo de consumo “diferenciado”), a crítica aqui se detém à própria idéia de venda de bem. existe uma corrente de pensamento que defende (e eu apoio) que deve haver uma mudança de paradigma da venda do produto para a venda do serviço. é mais ou menos o que se chama de valor de uso e valor de troca, ou valor de mercado, acho.

quino1

alguns exemplos, pra ver se fica menos abstrato:

– ao inves de comprar um cd ou um dvd, voce ouve a musica direto de um servidor, via conexão de rede. voce não compra a mídia (cd,dvd), mas paga pra ouvir a música. reduz drasticamente a produção de midias, e aumenta a demanda pelo serviço de conexão de rede.

– ao inves de comprar um carro, voce aluga ele de uma empresa diretamente ligada ao fabricante. voce não tem mais que fazer manutenção, a empresa faz. quando o carro fica velho, voce nao tem que revender e comprar outro, a empresa (especializada) cuida disso, inclusive de um possivel desmonte e reaproveitamento de componentes. ou pelo menos de um devido descarte das partes.

é dificil pensar assim, são anos de treinamento…

ps.: a charge é do quino