Posts Tagged ‘musica’

bandolim – with a little help from my friends

junho 7, 2013

e depois de 5 anos, finalmente está (quase) concluído mais este projeto. trata-se de um bandolim-capacete, construído em finais da década de 1970, desativado em algum momento dos anos 1980, e reinventado entre 2007 e 2013. agradecimento ao kenzo, sem o qual este projeto não teria saído ainda nesta década.

algumas fotinhas do processo

estado inicial

projeto de transformá-lo num bandolim elétrico

reconstrução

401958_4719415634338_1399320531_n

182929_4719390273704_249663625_n

968794_4719414554311_1743803634_n

941462_4719415194327_1927917780_n

969778_4723218609410_2127365158_n

972009_4723217849391_2004354291_n

946941_4723216689362_1023930276_n

933885_4719392553761_141747836_n

575880_4723220209450_847779088_n

 

 

pensamento e linguagem

julho 8, 2009

“Se não fosse aquilo… nem sabia. O fio da idéia cresceu, engrossou – e partiu-se. Dificil pensar. Vivia tão agarrado aos bichos. Nunca vira uma escola. Por isso não conseguia defender-se, botar as coisas nos seus lugares.”
(Vidas Secas, Graciliano Ramos)

O que o Graciliano Ramos nos conta aqui é a dificuldade do analfabeto não apenas de se comunicar, mas de articular as idéias, de organizar um pensamento. O fio da idéia partiu antes de atingir sua plenitude.

Essa mesma dificuldade que Fabiano, protagonista da história, tem de pensar por lhe faltar uma linguagem que dê suporte, é descrita por Oliver Sacks no caso de surdos que nascem nesta condição, ou ficam surdos antes de aprender a se comunicar.

“Os surdos sem língua podem de fato ser como imbecis – e de um modo particularmente cruel, pois a inteligência, embora presente e talvez abundante, fica trancada pelo tempo que durar a ausência de uma língua. Assim, o abade Sicard está correto, além de ser poético, quando escreve que a introdução da língua de sinais ‘abre as portas da inteligência pela primeira vez’. Nada é mais prodigioso, ou mais digno de celebração, do que algo que liberta as capacidades de uma pessoa e lhe permite crescer e pensar”
(Vendo Vozes, Oliver Sacks)

Sacks está fazendo a defesa do ensino da linguagem de sinais, em oposição à técnicas de educação que emulam a linguagem falada como a leitura labial ou o uso de sinais para aprender um idioma. Afirma que a linguagem de sinais não apenas permite a comunicação, mas permite o pleno desenvolvimento do pensamento.

Ou seja, o pensamento não precisa se apoiar na palavra, mas em uma linguagem. No princípio não era necessariamente o verbo.

Mas não apenas isso. Devido ao uso da visão como meio de comunicação, quem se formou na linguagem de sinais desenvolve uma habilidade visual acima da média, comparada através de estudos à dos chineses, cuja complexidade dos ideogramas exige tal habilidade.

Por isso eu venho aqui arriscar uma extensão dessa idéia:
É necessário desenvolver diversas linguagens.

Todo mundo.

Nossa educação baseia-se na linguagem verbal e numérica, e no raciocínio escrito e falado, mas há outras linguagens: arte, desenho, escultur, música, dança, etc. Já foi comprovado que há uma pontencial habilidade visual que fica “trancada”. Assim como provavelmente há uma habilidade sonora/musical (já chegaram a afirmar que todos nascem com ouvido absoluto, mas a maioria perde essa habilidade nos primeiros anos de vida), ou uma corporal/gestual, etc.

Somos em grande parte ignorantes de nossas próprias potencialidades.

histórias pra contar

agosto 17, 2008

eu não to acompanhando muito as olimpíadas, mas como todos assistem (inclusive meus irmãos) eu acabo vendo.

hoje acordei com as reportagens dos ultimos resultados, e me lembrei de uma música, chamada histórias pra contar. a composição é de orlando farias, da banda DOX, e a gravação é da banda Hipnose, eu e meus amigos. ouvindo hoje podemos perceber diversas desafinações, tanto instrumentais quanto vocais, mas tem grande valor histórico (pra mim).

a gente fez ela lá pelo 1° colegial (não lembro bem), pra uma competição entre escolas chamada Olimpec (olimpiadas esportivas e culturais, acho).
acho que não ganhamos nada, mas tudo bem.

coincidentemente, no exato momento em que eu encontrei o CD com essa musica, a Marily dos Santos, que ficou em 51° lugar na maratona, respondia ao repórter o que diria quando chegasse ao Brasil: “vou ter muitas histórias pra contar”.

ps.: a guitarra utilizada na gravação foi essa da foto, que foi a que me inspirou a fazer a telekiki.

estréia no vila rock!

fevereiro 28, 2008

pra testar os recursos multimídia deste blog, to postando um vídeo da minha super banda dos irmãos. foi nossa primeira apresentação.

a qualidade sonora do vídeo tá bem ruinzinha, pois foi feita numa camera fotografica digital, e o som as vezes ficou estourado. mas é o único registro que temos, então tem um valor histórico e sentimental grande.

aproveito também pra deixar avisado que de vez em quando vou requentar alguns conteúdos existentes em outros sitios internéticos pra postar aqui, criando uma rede de relações entre diversos serviços. um grande curto-circuito.

telekiki

fevereiro 25, 2008

telekiki

tá muito triste sem nenhuma imagem, nem foto no perfil eu tenho. então fica aqui uma imagem da minha telekiki. outro dia eu conto a história dela. agradecimentos ao fernão.