Posts Tagged ‘ortografia’

mení ala carte

janeiro 6, 2013

E andando por aí estive colecionando uns cardápios interessantes. Tinha mais, mas perdi alguns ao longo do tempo e das formatações dos computadores… Achei que uma hora renderia um tumblr temático, como tem uns muito bons por aí, aberto a colaborações, mas acho que não consigo administrar isso. Se alguém quiser, pode roubar minha ideia (se é que já não existe).

Foto0160

vaca tolada

Foto0175

temperodo – refocado

Foto0243

ceverja (adendo)

Foto0173

ceborlinha (os chineses são boas fontes)

CIMG7757

serv serv: custela – cuzidosDSC07033

peni arromanesca – alho e olho – colve flor amilanesa – pescada adorê – legumes gratinado – linguissa apimenta

bom apetiti!!!

êrros ortographycos?

março 7, 2011

Já cansei de ouvir acusações de que o computador e a internet deseducam os jovens, tornando-os preguiçosos para escrever, o que é ricamente ilustrado pelas abreviações do tipo “q”, “vc”, além de erros e desleixos ortográficos.

O que ninguém lembra é que a língua não é uma coisa estática, e há não muito tempo atrás a grafia de muitas palavras era diferente.

No mapa Sara Brasil (de 1930, executado pelo “methodo Nistri de aerophotogrammetria”) encontramos palavras como “organisado”, “empreza”, “officiaes”, etc. Em outro mapa, de 1924, está grafado “organizada pelo escriptorio technico”, de modo que parecem valer as duas opções.

Curiosamente, me deparei com uma citação que não apenas contém palavras grafia diferente da atual, como também abreviações interessantes (ressaltando que se trata de um documento oficial):

Em 1776, o diretor do aldeamento de Itaquaquecetuba recebia a seguinte ordem: ‘que não consinta, q. os Indios vivão desagregados nos matos, antes sim os congregue, e faça morar nessa Aldeya, onde devem pernoitar todas as noites, fazendo-os ir de manhã cedo a trabalhar nas terras, q. les destinar pª elles fazerem as suas roças, q. devem ser quanto mais perto possível dessa Aldeya’.
(LANGENBUCH, J. R. – A Estruturação da Grande São Paulo, 1971. p 56)

Ou seja:

1. Há menos de um século atrás era possível trocar um s por um z; mas nas ultimas décadas isso virou culpa da internet.

2. Há mais de dois séculos atrás já se usava a abreviação para “que”; ao contrário do que costuma-se afirmar, isso também não é culpa da internet.